Resíduos complexos: o couro

Num universo de milhares de resíduos industriais que são gerados a cada dia, é comum – e não tão visível – a geração dos chamados resíduos complexos ou desafiadores. O couro é um exemplo: material obtido das indústrias de cortume, e utilizado na produção e confecção têxtil, segmento de calçados, estofados, artesanato, e segmento automobilístico.

Detalhe de retalhos de couro natural e tecidos, da produção de bolsas de cliente B2Blue de São Gonçalo – RJ. Créditos: Plataforma B2Blue.com

Segundo o Centro das Indústrias de Cortume do Brasil (CICB), cerca de 85% das empresas do segmento realizam controle diário da verificação de resíduos sólidos, enquanto que 70% possui setores de meio ambiente.  Ainda, segundo a associação, o mercado de couro brasileiro é um dos maiores produtores do mundo, com forte presença nos segmentos calçadista, moveleiro e automotivo; e tem grande presença nas exportações mundiais, com Espanha, China, Polônia, EUA, Índia, Itália, Vietnã e Tailândia, como mercados-alvo principais¹.

Os resíduos

Assim, dentro do segmento das indústrias de cortume, um dos resíduos mais comuns é a serragem de couro, também chamado de couro em wet-blue – que são como floquinhos secos de couro natural sem tingimento, gerado à partir do processo de rebaixamento e lixamento do couro natural – veja figura abaixo.

Créditos: Plataforma B2Blue.com

Este material tem implicações ao meio ambiente, uma vez que é relevante a grande utilização de água e cromo no processo de curtimento do couro,  sendo um desafio para o setor. O que resulta neste resíduo, que exige destinação ambientalmente adequada, e difícil recuperação e reaproveitamento para as indústrias geradoras –  que precisam investir em novas soluções.

Novas saídas

Assim, alternativas para a recuperação do resíduo do material, devem ter a inovação e tecnologia necessárias para a valorização do material e monetização do resíduo. Como exemplo, tem-se a absorção desse material por alguns segmentos das indústrias de cimento, na fabricação de tijolos ecológicos; e também soluções de P&D para o tratamento e redução do volume gerado, através do uso hidrólise enzimática e uso de bactérias².

Ainda, também é interessante o estímulo de micro empreendimentos e PMEs que têm inovado e absorvem o material beneficiado, na forma de “sobras” e retalhos das diversas indústrias geradoras de resíduos de couro.

Vale citar o exemplo de clientes que a B2Blue tem conectado por todo Brasil, e que absorvem resíduos do material beneficiado para: confecção de assessórios de artesanato em Pomerode – SC; estúdios de piercing e tatuagem em Cabo Frio – RJ; colares e focinheiras para animais domésticos em Sorocaba – SP e em Dores de Campos – MG; assessórios para lojas de sex shop em São Paulo – SP; recuperação de EPIs em Santo André;  confecção de uniformes em Alvorada – RS, entre inúmeros outros exemplos. Conheça como a B2Blue promove a conexão dessas empresas, e ajuda na inovação e solução para diferentes resíduos complexos.

¹Portal CICB: http://www.cicb.org.br/?page_id=13399 e http://www.cicb.org.br/?page_id=6369
² Amaral, L. UFRS, 2008: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/21255/000735085.pdf?..

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *